Nova Monte Verde - Sábado, 14 Dez 2019
Notícias / Política

Postada em 03 de Dezembro de 2019 às 19h16min

Juiz cassa diploma de vereadores no Nortão por fraudes em coligação

Podem ser 4 dos 9 atuais vereadores que poderão deixar o legislativo municipal de Ipiranga do Norte, considerando a filiação atual.

Texto: Só Notícias/Cleber Romero
Juiz cassa diploma de vereadores no Nortão por fraudes em coligação
Foto: Internet/Ilustrativa
O juiz Anderson Candiotto, da comarca de Sorriso, julgou, hoje, procedente a ação do Ministério Público Eleitoral de impugnação de mandato eletivo da coligação “Ipiranga Em Primeiro Lugar’, em Ipiranga do Norte (100 quilômetros de Sinop).  “Aplico em desfavor de todos os representados a cassação dos diplomas e registros”, além de tornar inelegíveis todos os reassentados pelo prazo de 8 anos. “Declaro, portanto, a nulidade dos votos obtidos pelos candidatos e candidatas cassadas de modo que imperativo o recálculo dos quocientes eleitorais e partidários”, sentenciou.

Não consta no processo quais são os vereadores eleitos que devem perder seus mandatos por conta da fraude na cota de gênero. Mas podem ser 4 dos 9 atuais vereadores que poderão deixar o legislativo, considerando a filiação atual. A promotoria denunciou os candidatos impugnados, da coligação composta pelo Partido Progressista (PP), Democratas, Solidariedade, formada por 11 homens e 5 mulheres, obtendo o percentual dos 30% do sexo feminino. No entanto, Daniela Alencar e Silva, Iranir de Moraes e Nadja Lopes de Moraes Souza não foram de fato candidatas efetivas ao mandato de vereadoras. “As suspeitas foram após o pleito eleitoral já que elas não recebam nenhum voto, caracterizamos candidaturas fictícias”.

Também foi constatado, através do controle de gastos de campanha “que não foram encontrados impressos e santinhos para panfletagem, papéis e adesivos e anúncios entre outros”. Em depoimento, Iranir de Moraes afirmou ao MP que foi “proibida de pedir votos’. A pessoa que a convidou para ser candidata orientou que, se ela “ganhasse votos, iria tirar os dos outros (candidatos) da coligação”.  Já Nadja Lopes declarou que “ficou feio, porque fizeram uma regra  para que 30% das mulheres se elejam, porém, fizeram uma manipulação para entrar só os  homens”.

Os citados estão sendo notificados e podem recorrer. Se o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) mantiver a sentença de Candiotto, a retotalização deve mudar a composição dos vereadores na câmara com a redistribuição das cadeiras entre os demais partidos e coligações.

Entre os 9 vereadores de Ipiranga do Norte não há mulher exercendo mandato.

CPF CANCELADO

Suspeito de tentar matar policiais é morto em confronto em MT

Veja mais